Os reis das poles na F1

Depois de alcançar a marca de 66 poles na carreira no GP do Azerbaijão, Lewis Hamilton superou de vez Ayrton Senna na estatística e se tornou o segundo maior no quesito na história da F1, atrás apenas de Michael Schumacher. A seguir, o GRANDE PREMIUM traz curiosidades das marcas de Hamilton e do heptacampeão

Fernando Silva, de Sumaré

Cada vez mais, Lewis Hamilton vai fazendo história na F1. Aos 32 anos, o britânico aliou competência e talento e, na esteira do domínio da Mercedes nas últimas temporadas, cravou seu nome na galeria dos grandes do esporte. Em uma década de carreira, o piloto já é o segundo maior vencedor, com 57 triunfos, soma 110 pódios e, depois do último mês de junho, superou seu grande ídolo, Ayrton Senna, para também se tornar o segundo maior em número de poles ao alcançar pela 66ª vez a posição de honra do grid.

Em todos os quesitos citados acima, Lewis só perde para um nome. O maior de todos em todas estatísticas de performance e recordista de títulos na F1: Michael Schumacher.

Hamilton seguramente vai superar o heptacampeão ainda em 2017. Apenas duas poles separam os dois maiores da história da F1 na estatística, de modo que Lewis poderá igualar o alemão em julho caso largue na frente na Hungria, no fim do mês. Apenas os dois e Ayrton somam mais de 60 poles na carreira, enquanto o quarto colocado, Sebastian Vettel, aparece bem mais atrás, com 47 no momento.

Considerando as 500 Milhas de Indianápolis como parte do calendário do Mundial de F1 entre 1950 e 1960, 98 pilotos diferentes, desde Giuseppe Farina a Valtteri Bottas, já largaram na frente na F1.

O GRANDE PREMIUM elaborou um Lado a Lado diferente para comparar os números de Schumacher e Hamilton quanto às poles-positions conquistadas na F1. Não se trata de comparar a capacidade ou os números gerais de de um ou de outro, mas sim de elencar algumas curiosidades que marcaram a trajetória do heptacampeão e ainda marcam a carreira de Hamilton sobre como, quando e onde cada um garantiu suas posições de honra. 

Schumacher levou bem mais tempo que Hamilton para largar na pole pela primeira vez
Forix/Bridgestone Motorsports

1) Idade da primeira pole
 

Levou algum tempo para que Michael Schumacher largasse na frente pela primeira vez na F1. O alemão, embora tenha a maioria dos recordes de performance da categoria, não se notabiliza pelas marcas de precocidade. No GP de Mônaco de 1994, quando partiu na frente pela primeira vez em um GP, o alemão, ainda na Benetton, tinha 25 anos, quatro meses e 12 dias.

Lewis Hamilton, por sua vez, estreou bem mais novo no Mundial, em 2007, pela então poderosa McLaren. Com apenas 22 anos, cinco meses e três dias, o britânico largou na pole pela primeira vez ao abrir o grid do GP do Canadá.

Apenas três pilotos foram pole com idade menor: Sebastian Vettel, pole do GP da Itália de 2008 com 21 anos, dois meses e 11 dias; Fernando Alonso, que abriu o grid do GP da Malásia de 2003 com 21 anos, sete meses e 23 dias, e Rubens Barrichello, que largou na frente do GP da Bélgica de 1994 aos 22 anos, três meses e cinco dias.


2) Quantas corridas até a primeira pole
 

O GP de Mônaco que marcou a primeira pole de Schumacher na F1 foi um dos mais tristes da história. Foi a primeira corrida depois da morte de Ayrton Senna, que havia marcado as três poles da temporada de 1994, ampliando para 65 seu número na estatística. Com o desaparecimento de Senna, Schumacher, que claramente tinha carro e talento muito superiores aos seus pares no grid, sobrava. Com o caminho livre, Michael só marcou sua primeira pole na 42ª corrida da carreira.

Quanto a Hamilton, o fato de ter começado por cima na carreira e sempre ter guiado por uma equipe de ponta fez com que o britânico não levasse tanto tempo assim para largar na frente pela primeira vez. Com uma McLaren que dominava aquele início de temporada em 2007, Lewis, então apenas um novato, anotou sua primeira pole de forma soberana ao bater ninguém menos que o bicampeão do mundo e seu companheiro de equipe, Fernando Alonso. Era apenas seu sexto GP. Foi a primeira de tantas poles para Hamilton em Montreal e na F1 como um todo.
 

3) Em quantos circuitos foram realizadas as poles
 

Se tem um quesito que ninguém supera Hamilton em matéria de poles é em relação ao número de circuitos. Jamais na F1 um piloto largou na frente em tantas pistas distintas: 25, relação que foi completada em julho no circuito de Baku. Eis a relação: Montreal, Indianápolis, Silverstone, Hungaroring, Fuji, Xangai, Albert Park, Hockenheim, Spa-Francorchamps, Valência, Monza, Marina Bay, Yas Marina, Yeongam, Sepang, Interlagos, Nürburgring, Barcelona, Sóchi, Sakhir, Mônaco, Red Bull Ring, Circuito das Américas, Hermanos Rodríguez e Baku.

Neste quesito, Schumacher não aparece nem em segundo. À frente do alemão estão, além de Hamilton, Alain Prost, com 22 poles em circuitos diferentes; Vettel, com 21; e Ayrton Senna e Nigel Mansell, com 20. Michael largou na frente em 19 pistas distintas, mas leve-se em consideração também que Schumacher viveu seu melhor momento numa fase em que a F1 não ia para tantos destinos como agora.

As poles de Schumacher foram conquistadas em Mônaco, Barcelona, Montreal, Hungaroring, Jerez, Suzuka, Ímola, Magny-Cours, Monza, Nürburgring, Sepang, Indianápolis, Albert Park, Interlagos, A1-Ring (atual Red Bull Ring), Hockenheim, Spa-Francorchamps e Sakhir.

Schumacher largou sete vezes na frente no GP da Espanha
Ferrari

4) Recordes de poles por GPs
 

O recordista da estatística é novamente Ayrton Senna, que largou na frente em oito oportunidades no GP de San Marino, curiosamente o último da sua laureada carreira. Schumacher igualou a marca ao conquistar sete poles no GP da Espanha. O heptacampeão também ostenta o cabalístico número de sete vezes na frente do grid de largada na Hungria.

Por sua vez, Hamilton já largou seis vezes em três GPS distintos: Austrália, China e Canadá. O britânico pode igualar a marca em outras duas etapas do Mundial que vão ser disputadas ainda em 2017: tanto no GP da Hungria como também na Itália, o tricampeão largou na frente em cinco oportunidades.


5) Poles por equipes
 

Aí não há muito segredo. Hamilton, por exemplo, defendeu apenas duas equipes na carreira: a McLaren, entre 2007 e 2012, e a Mercedes, desde 2013. Michael Schumacher fez a estreia pela Jordan, mas correu pela Benetton entre 1991 e 1995, foi o grande pilar dos anos de ouro da Ferrari durante uma década (1996 a 2006) e voltou da aposentadoria para cumprir três temporadas com a Mercedes.

Schumacher marcou as primeiras dez poles da carreira na Benetton. E nada menos que 58 poles pela Ferrari ao longo de 11 temporadas. Hamilton tem números mais equilibrados: o britânico largou 26 vezes na frente com a McLaren e outras 41 pela Mercedes.
 

6) Quantas corridas até a última pole
 

A última vez que Schumacher largou na frente em uma etapa da F1 foi no GP da França de 2006, em Magny-Cours. Naquele ano, o piloto lutava com Fernando Alonso pelo título, mas o espanhol levou a melhor. Era a 242ª corrida do alemão no Mundial. Depois disso, o heptacampeão realizou mais 65 GPs, mas sem conseguir mais figurar na posição de honra do grid.

Já a pole lograda por Hamilton no último GP da Inglaterra aconteceu na corrida 197 da sua carreira na F1.


7) Poles em anos consecutivos
 

Outra estatística curiosa mostra que Schumacher e Hamilton se consolidaram ao longo do tempo como reis das poles na F1. O alemão é o líder da tabela dentre todos os 35 pilotos que garantiram a posição de honra em mais de uma temporada. Michael largou na frente por 13 anos seguidos, entre 1994 e 2006.

Hamilton não sabe o que é ficar ao menos um ano inteiro sem saber o que é partir da posição de honra do grid. Desde seu ano na estreia até agora, já são 11 temporadas consecutivas com pelo menos uma pole-position na F1.

Hamilton marcou 12 poles na temporada passada, recorde pessoal em um só ano na F1
Beto Issa

8) Poles em uma só temporada
 

Curiosamente, nenhum dos reis das poles detém o recorde de mais poles por temporada. A melhor marca da história pertence a Sebastian Vettel, que largou na frente em 15 das 19 corridas da temporada 2011. O segundo colocado na lista é o ‘Leão’ Nigel Mansell, dono de 14 poles em 16 GPs em 1992, o que mostra o enorme poderio exercido pela Williams-Renault FW14 naquele ano, o maior percentual de GPs na ponta do grid em um só ano: 87,50%.

O melhor ano em termos de pole-positions para Hamilton foi em 2016, quando o britânico garantiu a posição de honra em 12 oportunidades. Mas é preciso relativizar, uma vez que o piloto dividiu o protagonismo com Nico Rosberg em meio à mais longa temporada da história, com 21 GPs realizados, marcando assim uma porcentagem de 57,14% dos GPs do campeonato largando na frente.

Michael Schumacher teve seu melhor ano em termos de poles na F1 em 2001, quando largou na frente em 11 das 17 corridas daquele ano, com um percentual de 64,71%.


9) Vitórias após largar na frente
 

A eficiência de Schumacher e Hamilton se faz evidente quando se analisa a quantidade de vezes em que cada um dos pilotos venceu depois de ter largado na frente. Dentre as 68 vezes que partiu da pole-position, Schumacher venceu 40 GPs.

Hamilton vem logo a seguida na estatística. O tricampeão do mundo venceu nada menos que 36 GPs após partir da pole. Um número igualmente bastante expressivo.
 

10) As poles que não foram
 

Os reis das poles na F1 poderiam ter números ainda maiores do que já ostentam. Em 2012, quando fazia seu último ano correndo pela Mercedes, Schumacher cravou o melhor tempo do treino classificatório do GP de Mônaco, sendo 0s080 mais rápido que Mark Webber no Q3. No entanto, o australiano herdou a pole porque Schumacher fora punido com a perda de cinco posições no grid por ter causado um incidente com Bruno Senna na etapa anterior, em Barcelona.

Curiosamente, justamente neste GP da Espanha em Barcelona, Hamilton marcou uma pole que durou apenas alguns minutos. Depois de ter voado no treino classificatório e registrado 1min21s707 com a McLaren, Lewis ficou parado na pista sem combustível. A irregularidade levou a FIA a desclassificá-lo da sessão, e quem herdou a pole foi o segundo colocado: Pastor Maldonado.

O venezuelano largou na frente, fez a melhor exibição da vida e faturou sua única vitória na F1, a última da Williams no Mundial desde então. Hamilton, largando lá do fim do grid, teve de se contentar com o oitavo lugar.

Punição por incidente com Bruno Senna impediu Schumacher de largar na pole pela 69ª vez
Daimler AG