LCR Honda

Depois de inflar sua estrutura em 2015, a LCR volta menorzinha neste ano. Com a mudança de Jack Miller para a Marc VDS, Cal Crutchlow é o foco das atenções no time e tem potencial

Nathalia De Vivo, de São Paulo

A LCR não teve sua melhor atuação em 2015. Apesar de ter repetido seu melhor resultado no Mundial, o time de Lucio Cecchinello o fez com um esforço de duas motos, com Jack Miller formando dupla com Cal Crutchlow.

Apesar de ter uma moto a mais, o time não somou sequer um ponto em quatro etapas — França, Itália, República Tcheca e Grã-Bretanha.

Insatisfeita com os custos e os resultados, a LCR decidiu reduzir seu envolvimento com o Mundial e ficou apenas com Crutchlow a bordo da RC213V. Com a fase difícil do protótipo nipônico, o time monegasco não deve ter facilidades em 2016.

Sede: Mônaco
Moto: RCV213V 
Principais dirigentes: Lucio Cecchinello
Em 2015: 7ª no Mundial de Equipes
Melhor resultado: 7ª no Mundial de Equipes em 2013 e 2015
Melhor tempo em Sepang:  2min00s899 (Cal Crutchlow, 5º)
Melhor tempo em Phillip Island: 1min29s348 (Cal Crutchlow, 3º)
Melhor tempo em Losail: 1min56s510 (Cal Crutchlow, 8º)

Cal Crutchlow #35

 

Nascimento: 29 de outubro de 1985 – Coventry, Inglaterra (30 anos)
Carreira na MotoGP: 87 GPs
608 pontos
2 poles
1 volta mais rápida
Melhor resultado: 8º colocado em 2015
Em 2015: 8º no Mundial de Pilotos

Cal Crutchlow não teve uma de suas melhores temporadas em 2015. Embora tenha encerrado um jejum de pódios da LCR, o britânico colecionou abandonos e teve resultados para lá de irregulares.

Em seu segundo ano com a LCR e com a RC213V, Cal tenta se entender com a Honda, mas não tem uma missão fácil pela frente, uma vez que a moto é considerada das mais difíceis de 2016.