Aprilia Racing Team Gresini

A RS-GP de 2016 é a primeira moto efetivamente construída pela Aprilia para a MotoGP, mas o novo protótipo ainda não mostrou todo seu potencial, já que perdeu parte da pré-temporada. Ainda assim, o clima em Noale é de otimismo

Nathalia De Vivo, de São Paulo

A Aprilia não buscava grandes resultados na temporada 2015 ao retornar ao Mundial de MotoGP, só pensando no desenvolvimento de sua moto para este ano. Embora sempre tenha dito que o protótipo verdadeiramente destinado à classe rainha do Mundial de Motovelocidade, a casa de Noale se enrolou e atrasou o debute da nova moto, que chegou apenas para o teste final da pré-temporada.

A nova RS-GP é uma moto leve, compacta e com bom manuseio, mas que ainda tem um atraso considerável em relação às equipes rivais. Ainda assim, a Aprilia espera evoluir rapidamente, especialmente após a etapa de Jerez de la Frontera.

Sede: Noale, Itália
Moto: Aprilia RS-GP
Principais dirigentes: Romano Albesiano e Fausto Gresini
Em 2015: 9ª no Mundial de Equipes
Melhor resultado: 4ª no Mundial de Equipes em 1999, 2000 e 2003
Melhor tempo em Sepang:  2min02s372 (Stefan Bradl, 18º)
Melhor tempo em Phillip Island: não testou
Melhor tempo em Losail: 1min57s043 (Álvaro Bautista, 18º)

#19 Álvaro Bautista 

 

Nascimento: 21 de novembro de 1984 – Talavera de la Reina, Espanha (31 anos)
104 GPs
621 pontos
1 pole
1 volta mais rápida
Melhor resultado: três terceiros lugares
Em 2015: 16º no Mundial de Pilotos

O experiente Álvaro Bautista caminha para seu segundo ano defendendo a equipe. Com a RS-GP em desenvolvimento, é difícil indicar o que o espanhol pode fazer.

De qualquer forma, Bautista terá muitas dificuldades para chegar à parte da frente da tabela, uma vez que Ducati e Aprilia apareceram mais fortes.

 

#6 Stefan Bradl 

Nascimento: 29 de novembro de 1989 – Augsburg, Alemanha (26 anos)
70 GPs
425 pontos
1 pole
Melhor resultado: 7º colocado no Mundial de Pilotos em 2013
Em 2015: 18º no Mundial de Pilotos

Stefan Bradl passou a integrar a equipe apenas a partir do GP de Indianápolis de 2015, quando entrou para substituir Marco Melandri. O alemão, que não vinha tendo vida fácil em sua antiga casa, a Forward, também não conquistou resultados expressivos na Aprilia, até pelo momento de transição da equipe.

Neste ano, o germânico tentará tirar proveito da — ainda que discreta — evolução da Aprilia, especialmente para garantir uma vaga no grid do próximo ano.