McLaren Honda F1 Team

Depois do choque de realidade em 2015, um clima de otimismo contido começa a pairar sobre a McLaren. Jenson Button já elogiou bastante o novo MP4-31, enquanto Fernando Alonso frisa que ainda tem desejo de seguir na F1. Talvez assim a parceria com a Honda finalmente decole

Vitor Fazio, de Porto Alegre

É inegável que a parceria entre McLaren e Honda falhou em 2015. Com tanta pompa e expectativa, os japoneses desenvolveram o pior motor do grid, enquanto o chassi não era particularmente brilhante. Em 2016, o senso comum aponta para uma evolução, que já podia ser notada na segunda metade do ano passado. Mas todo mundo sabe que ainda vai demorar para vermos a equipe inglesa brigando por pódios e vitórias com regularidade.

Os resultados da pré-temporada são um pouco melhores, mas não são esplendorosos. A equipe ainda parece dever 2s para as equipes de ponta, mas a disputa com equipes como Sauber e Renault parece uma realidade muito mais sólida do que em 2015.

Enquanto os resultados não aparecem, a equipe trabalha para se manter unida. Patrocinadores como a TAG Heuer já pularam fora. Enquanto isso, Fernando Alonso e Jenson Button deixam em dúvida seu desejo de seguir na F1. E perder uma das raras coisas positivas da equipe – seus pilotos – certamente seria uma grande derrota.

Sede: Woking, Inglaterra
Carro: MP4-31
Motor: Honda
Principais dirigentes: Ron Dennis, Éric Boullier
Piloto reserva: Stoffel Vandoorne, Oliver Turvey
Em 2015: 9ª colocada (27 pontos)
Melhor resultado: 8 títulos de Pilotos,  12 títulos de Construtores
Melhor tempo em Barcelona: 1min24s714 (pneus ultramacios)

#22 Jenson Button

 

Nascimento: 19 de janeiro de 1980, Frome, Inglaterra (36 anos)
287 GPs disputados
15 vitórias
8 poles
50 pódios
8 voltas mais rápidas
1.214 pontos
Melhor resultado
Campeão em 2009
Em 2015: 16º (16 pontos)

Jenson Button viveu dias de glória e dias de sofrimento na McLaren. Com grandes performances entre 2010 e 2012, só não brigou diretamente pelo título por detalhe. Agora veterano, Button não tem muito mais o que fazer pela escuderia além de tentar devolver a dignidade que sempre a ela pertenceu. 

Button, com uma relação de longa data com a Honda, parece se enquadrar melhor no perfil desejado pelos japoneses. Jenson obviamente está aborrecido com o fracasso de 2015, mas é mais quieto do que Alonso: nada de declarações furiosas, bombásticas, xingamentos pelo rádio. Com esse espírito, mais calmo, o #22 encheu a boca para elogiar as melhoras apresentadas pela McLaren. São suficientes? Esperemos mais uma semana para saber.

 

#14 Fernando Alonso

 

Nascimento: 29 de julho de 1981, Oviedo, Espanha (34 anos)
254 GPs disputados
32 vitórias
22 poles
97 pódios
21 voltas mais rápidas
1.778 pontos
Melhor resultado
Campeão em 2005 e 2006
Em 2015: 17º (11 pontos)

Fernando Alonso saiu da Ferrari reclamando da falta de resultados, mas tudo que conseguiu na McLaren até aqui foi arranjar mais dor de cabeça.  O espanhol simplesmente não foi capaz de ser competitivo em um que começou o misterioso acidente na pré-temporada em Barcelona. Com traumas até hoje não explicados, Alonso perdeu o GP da Austrália. Depois de um começo de ano absolutamente sofrido, o bicampeão conseguiu o melhor resultado do ano na Hungria: um quinto lugar.

Além de lutar contra seu lento carro, Alonso também precisa lutar pela sua própria vontade de seguir na F1. Apesar de reforçar que não quer saber de abandonar a McLaren tão cedo, Fernando já deu declarações indicando para o fim de sua paciência. Mas isso certamente não vai fazer o motor Honda deixar de ser um motor de GP2.