Empurrado pela torcida dos fãs da F1, Vettel reza para Ferrari ter alcançado Mercedes

O cauteloso Sebastian Vettel vai logo ver se a conversa sobre título se confirma, isto é, a Ferrari ter alcançado o patamar da Mercedes. Os fãs da F1 querem alguém forte brigando com Lewis Hamilton

Pedro Henrique Marum, do Rio de Janeiro

O primeiro ano de Sebastian Vettel em macacão vermelho foi, é possível dizer, acima do esperado. De fato é difícil que um tetracampeão mundial consiga vencer as expetativas impostas sobre ele, mas mesmo assim o ano terrível de despedida na Red Bull foi seguido com um ânimo novo e um piloto claramente mais vibrante, mais feliz e em plena a forma mostrada nos melhores anos. E embora a evolução ferrarista tenha sido impressionante, ainda assim não colocou Maranello em ponto de desafiar de verdade a Mercedes. Mesmo assim, Vettel fez o possível, venceu três corridas e grudou no pescoço a ponto de preocupar Lewis Hamilton e Nico Rosberg.

Com a expectativa de que a revolução promovida por Sergio Marchionne, Maurizio Arrivabene e James Allison dê um passo adiante, as conversas na Ferrari foram apontando todas na direção de um desafio pelo título. E com a sensação de que Kimi Räikkönen e sua grande carreira fazem hora extra na F1, é nos ombros de Vettel que deitam as esperanças de um pequeno milagre que seria vencer as Flechas Prateadas

Vettel é a esperança da F1 para brigar de igual para igual com as Mercedes
Getty Images, com arte Grande Premium

Depois de se animar no final do ano, Vettel depois já diminuiu as expectativas e afirmou que todos sabem que ainda falta um pouco para chegar aos rivais. Algo que acabou sendo confirmado nos oito dias de testes de pré-temporada realizados em Barcelona. Vettel até liderou três dos quatro dias em que participou – o outro acabou ficando com Valtteri Bottas. Mas ficou claro que era uma questão das Mercedes testando seu ritmo de corrida e a incrível confiabilidade do W07 Hybrid.

A bordo com SF16-H, Vettel tem o objetivo de aumentar o nível de incômodo para os rivais, visto que o título parece algo fora de questão por enquanto. Se não chegar às três vitórias de 2015, ainda que injusto, será uma decepção de pequeno porte. Não vai importar tanto na relação dele com a equipe, no entanto, uma vez que é evidente a confiança que Maranello tem no alemão. Que Räikkönen se aposente ao fim do ano, pouco importa. Vettel é quem vai capitanear o futuro da escuderia do Cavallino Rampante.

Resta ver como virão as unidades de força ferraristas, essas, sim, uma dúvida em relação ao que vimos ano passado. Porém, com o que foi visto de uma Mercedes que, acredita-se, está escondendo o jogo, fica difícil acreditar que a Ferrari possa ter uma impulsão tão grande escondida. 

Não é apenas em Maranello que as expectativas são de se apressar para a ponta e a briga real pelo título. E talvez a Ferrari, apesar da vontade de estar à frente de sua real evolução, já tenha notado que não vai dar, mas Bernie Ecclestone ainda fala do time vermelho como a última esperança para a F1.

"Apenas espero que a Ferrari volte para onde a Ferrari deve estar, que é brigando pelo campeonato. Se não mostrarem que podem vencer o campeonato, infelizmente – ou felizmente, dependendo de que você é – teremos outro ano dominante da Mercedes", desejou após os testes coletivos de Barcelona

É possível pensar que a Ferrari vai andar no ritmo da Mercedes?
Getty Images, com arte Grande Premium

Talvez a única boa chance de Vettel – e é uma chance muito remota – seja se o ano começar e Hamilton e Rosberg de fato terminarem com qualquer tipo de cordialidade. Apesar da relação complicada, os dois ainda trabalham juntos e vivem uma situação que muitas vezes parece menos complicada que aparenta. Mas se 2016 já iniciar com os dois ligando o botão da autodestruição na Mercedes, aí Sebastian pode mesmo se beneficiar a ponto de beliscar vitórias mais regularmente e até um título. 

Na realidade, até mesmo Hamilton está desesperado para que Vettel se coloque em nível de competir de igual para igual. Os dois são os maiores vencedores do grid atual e já atingiram números de vitórias e conquistas que se equiparam aos grandes de todos os tempos. Hamilton sabe que, a despeito do momento, Rosberg não pode ser o grande rival de sua carreira. É Vettel quem deve ser esta figura. 

Por isso, nos últimos tempos, várias foram as vezes que Lewis chamou Sebastian para a briga de alguma forma. 

A última vez foi no final de fevereiro, quando Vettel disse que o domínio completo da Mercedes deixa a F1 chata de certa forma, no que era uma avaliação grande do tetracampeão sobre o esporte. Mas Lewis foi colocar o dedo na ferida ao dizer que os quatro títulos seguidos de Sebastian deixaram a F1 muito mais chata naquele período entre 2010 e 2013. 

Em outra oportunidade, no ano passado, disse que não saberia dizer qual o nível real de Vettel, visto que não teve rivais nos anos que dominou. Com absoluta certeza, Vettel sabe que, assim como Rosberg, Mark Webber também não pode passar para a posteridade como um grande rival que nunca foi. E já fez outras comparações: fã incondicional de Senna, falou que Vettel é o 'Prost de sua vida' e falou que torce por uma rivalidade como a de Prost e Mansell com o alemão.

Quando vai ser a hora? Para o bem da F1, que cada vez mais parece ter dois pilotos prontos para serem rivais de fato, que seja logo. Os fãs merecem ver um round real entre Hamilton e Vettel