Vidas cruzadas por acidentes

Bartosz Ostalowski é único piloto sem braços a ter licença da FIA, em história tão comovente quanto do também polonês Robert Kubica, que quase perdeu mão direita, mas hoje tenta voltar à F1. ‘Não deixei tragédia destruir meu espírito’, disse drifter ao GRANDE PREMIUM

André Avelar, São Paulo

 

A F1 aguarda ansiosamente o retorno de Robert Kubica. Se voltará como o pretenso campeão mundial de antes, pouco importa para quem quase perdeu a mão direita em um acidente de rali. O polonês famoso pode nunca nem saber, mas tem um compatriota que também é exemplo de superação no automobilismo. Bartosz Ostalowski perdeu os dois braços em um acidente de moto. Esteve igualmente perto da morte, mas venceu a depressão e a dor nos carros de drift para hoje ser o único piloto biamputado dos membros superiores a ter uma licença da FIA.

Vestir o macacão, afivelar o capacete, enviar as respostas desta entrevista por e-mail... Bart precisa de ajuda para tudo em seu cotidiano nas proximidades da Cracóvia, no sul do país. Exceto quando está dentro do carro. É neste ambiente – aparentemente desconfortável para quem precisa de agilidade com o pé esquerdo no volante e precisão com o direito nos pedais de acelerador e de freio – que o polonês hoje de 30 anos se sente em casa. Aos que por vezes reclamam de qualquer noite mal-dormida, vê-lo só abrir a porta do seu Nissan Skyline R34 é uma inevitável aula de superação.

“Posso dizer que me considero um exemplo de superação para qualquer um. Meu acidente me levou para o ponto mais crítico da minha vida e, mesmo assim, não deixei a tragédia destruir meu espírito. Mesmo não tendo braços, não deixei de desafiar meus sonhos e ter meus objetivos. Espero ser um exemplo positivo apesar das trágicas circunstâncias”, contou Bart, que também é conhecido como Bartek, com exclusividade ao GRANDE PREMIUM.

Quer ler esta matéria na íntegra?