Oito homens e um destino

A edição 85 das 24 Horas de Le Mans vai marcar um recorde importante para o automobilismo brasileiro. Ao todo, oito pilotos tupiniquins vão acelerar neste fim de semana em Sarthe. Neste especial às vésperas da prova, o GRANDE PREMIUM traz um breve perfil de cada um deles

Fernando Silva, de Sumaré

Chegou a hora! Depois do GP de Mônaco e das 500 Milhas de Indianápolis, as 24 Horas de Le Mans fecham o rol das mais icônicas provas do automobilismo mundial na temporada 2017. A edição 85 da mais importante corrida do endurance mundial será disputada neste fim de semana (17 e 18 de junho) e traz um marco único para o esporte a motor brasileiro. Nada menos que oito pilotos tupiniquins vão disputar a prova em Sarthe, o que traz grande perspectiva de vitória verde-e-amarela em três das classes em disputa em Le Mans.

O primeiro indicativo deste número tão relevante de oito pilotos em Le Mans é que o horizonte do brasileiro sobre o esporte a motor como um todo se expande de uma forma que não contempla somente a F1. Sim, há vida (e muita vida) fora do grid do Mundial, e mesmo assim é possível permanecer em evidência na elite do automobilismo. Enquanto Felipe Massa segue sendo o único nome brasileiro na F1 e Helio Castroneves e Tony Kanaan são os heróis da resistência tupiniquim na Indy, uma grande leva está inscrita para correr em Le Mans, o auge das provas de resistência, neste fim de semana.

A armada brasileira em Le Mans é composta de pilotos dos mais distintos perfis: Rubens Barrichello certamente é o mais estelar deles por conta do seu grande currículo no automobilismo: duas vezes vice-campeão da F1, recordista de largadas no Mundial, dono de grande história na Ferrari e, mais recentemente, campeão em 2014 e vice em 2016 na Stock Car.

O curioso é que, com todo o currículo que ostenta, Barrichello vai fazer sua primeira corrida em Le Mans — completando assim a santíssima trindade do automobilismo depois de correr em Mônaco e na Indy 500. Em contrapartida, o jovem e talentoso Pipo Derani, que tem idade para ser filho de Barrichello, vai fazer, aos 23 anos, sua terceira participação em Sarthe.

Rubens Barrichello vai ser a estrela da Armada Brasileira nas 24 Horas de Le Mans de 2017
Jérôme Fouquet

A lista brasileira em Le Mans tem muitos grandes nomes. E teria outro com Lucas Di Grassi. Mas o paulista, consolidado nos últimos anos como o principal piloto nacional em atividade com grandes atuações na F-E e no próprio WEC, com a Audi, foi baixa de última hora. Ao fraturar o tornozelo durante uma partida de futebol, Lucas desfalca a AF Corse em Le Mans neste fim de semana.

No rol dos brasileiros, destaque também para Nelsinho Piquet e Bruno Senna, que vão ser companheiros de equipe — embora não vão compartilhar o mesmo carro — na suíça Rebellion na LMP2, mesma categoria pela qual vai correr Rubens Barrichello. Também na LMP2, vai alinhar outro novato em Le Mans. Aos 24 anos, André Negrão vai descobrindo o mundo do endurance com a equipe francesa Signatech Alpine Matmut.

Quatro pilotos vão representar o Brasil no GT. Na LMGTE-Pro, além de Pipo Derani na Ganassi/Ford GT, Daniel Serra — em grande fase na Stock Car — vai ser um dos nomes da tradicional Aston Martin em Le Mans. Tony Kanaan foi chamado de última hora para substituir o lesionado Sébastien Bourdais e vai correr no Ford GT #68 da Ganassi. Fecha a lista, na LMGTE-Am, o paulista Fernando Rees, que vai correr com um Chevrolet Corvette da Larbre Compétition.

Com muitas informações já destacadas pelo blog A Mil Por Hora, do mestre e sempre preciso Rodrigo Mattar e os cliques de José Mário Dias, o GRANDE PREMIUM traz um breve perfil de cada um dos oito brasileiros que vão encarar os desafios das 24 Horas de Le Mans neste fim de semana.

Dos pilotos brasileiros em Le Mans, só Fernando Rees não aparece na foto. E Di Grassi é baixa de última hora na prova
José Mário Dias

Classe LMP2

Nelsinho Piquet


Nascido em 25/07/1985 (31 anos) em Heidelberg (Alemanha);
Presenças nas 24 Horas de Le Mans: duas (2006 e 2016);
Melhor resultado: nono lugar em 2006;
Equipe: Vaillante Rebellion
Chassi: Oreca 07
Motor: Gibson GK428 4,2 L V8
Carro: #13
Companheiros de equipe: Mathias Beche (Suíça) e David Heinemeier-Hänsson (Dinamarca)
Tempo no Journée Test: 3min30s696 (18 voltas)

Nelsinho Piquet é, sem dúvidas, um dos pilotos mais versáteis do automobilismo na atualidade. Com experiência de dois anos na F1, o brasileiro tem a capacidade de andar (muito bem) em tudo o que se propõe a guiar: seja no kart, na F-E, GT, Ralicross, Stock Car, Nascar e, claro, também no Endurance. O primeiro campeão da categoria dos carros elétricos vai fazer sua terceira participação em Le Mans neste fim de semana e certamente desponta com grandes chances de vitória na LMP2. Capacidade, certamente, não lhe falta para chegar ao topo do pódio no domingo. 

Nelsinho Piquet vai para sua terceira participação em Le Mans
José Mário Dias

Bruno Senna

Nascido em 15/10/1983 (33 anos) em São Paulo
Presenças nas 24 Horas de Le Mans: quatro (2009, 2013, 2014, 2016)
Melhor resultado: 15º em 2016;
Equipe: Vaillante Rebellion
Chassi: Oreca 07
Motor: Gibson GK428 4,2 L V8
Carro: #31
Companheiros de equipe: Nicolas Prost (França) e Julien Canal (França)
Tempo no Journée Test: 3min30s535 (21 voltas)

Sem espaço na F1 mesmo com o sobrenome famoso, o sobrinho de Ayrton Senna vai trilhando uma carreira bastante sólida no endurance. No ano passado, por exemplo, quando correu pela RGR Sport by Morand, foi vice-campeão na temporada do Mundial de Endurance na LMP2 e vai repetindo o ano produtivo em 2017, agora com a Vaillante Rebellion. Bruno também traz a experiência de outras tantas provas importantes na carreira, como as 24 Horas de Daytona e Spa, as 12 Horas de Sebring, além de presenças constantes no Blancpain Endurance Series.

Senna-sobrinho conta com companheiros de equipe bem fortes que podem ajudá-lo a chegar ao topo do pódio em Le Mans na LMP2. A dupla Senna-Prost, desta vez com os dois trabalhando em conjunto ao lado do também francês Julien Canal, promete ser um atrativo a mais na jornada do carro #31 neste fim de semana em Sarthe.

Bruno Senna traz muita experiência no Endurance para tentar o triunfo em Le Mans
Rebellion Racing


Rubens Barrichello

Nascido em 23/05/1974 (45 anos) em São Paulo
Presenças nas 24 Horas de Le Mans: estreante
Equipe: Racing Team Nederland
Chassi: Dallara P217
Motor: Gibson GK428 4,2 L V8
Carro: #29
Companheiros de equipe: Jan Lammers (Holanda) e Frits Van Eerd (Holanda)
Tempo no Journée Test: 3min33s304 (40 voltas)

Rubens Barrichello é, sem dúvidas, um dos grandes atrativos das 24 Horas de Le Mans de 2017. Dono de um currículo vencedor, o paulista segue muito competitivo e dá mostras disso nas pistas do Brasil com a Stock Car. Afeito a novos desafios, o recordista de largadas da F1 vai encarar pela primeira vez a prova em Sarthe por uma equipe bastante nova. A holandesa Racing Team Nederland, que é de um dos pilotos, Frits Van Eerd (dono dos supermercados Jumbo, que também patrocinam Max Verstappen na F1), conta com o novo chassi Dalara para o WEC e traz de volta às pistas o experientíssimo Jan Lammers.

Apesar de ser um estreante em Le Mans, Barrichello tem boa experiência no Endurance. Para ficar nos exemplos mais recentes, no ano passado Rubens correu (e quase venceu) as 24 Horas de Daytona. O noviciado da equipe sugere mais dificuldades ao brasileiro em Le Mans. Ainda assim, justamente por ser uma prova em que tudo é possível, claro que Rubens Barrichello jamais pode ser descartado da luta pela vitória.
 

André Negrão

Nascido em 17/06/1992 (24 anos) em Campinas
Presenças nas 24 Horas de Le Mans: estreante
Equipe: Signatech Alpine Matmut
Chassi: Alpine A470 (Oreca 07)
Motor: Gibson GK428 4,2 L V8
Carro: #35
Companheiros de equipe: Nelson Panciatici (França) e Pierre Ragues (França)
Tempo no Journée Test: 3min29s809 (27 voltas)

André Negrão pode receber o maior presente de aniversário da vida caso vença a corrida no domingo. É que o campineiro vai completar 25 anos exatamente no dia da bandeirada final em Le Mans. O ainda jovem piloto busca encontrar o rumo da sua carreira no Endurance. Assim como a maior parte dos competidores da sua idade, André tem a sua trajetória até aqui toda baseada nos monopostos. Mas as suas passagens na World Series e GP2 (hoje F2) foram bem discretas. Depois de um 2016 em que correu na Indy Lights (onde conquistou cinco pódios), Negrão deu uma guinada que parece ser definitiva com sua incursão no Endurance e por uma equipe forte: a tradicional Signatech Alpine Matmut, campeã do ano passado tanto em Le Mans como também na temporada do Mundial de Endurance.

Nos treinos em Le Mans, André teve uma boa participação e foi o novato com o melhor tempo na LMP2. A equipe francesa, aliás, também foi muito bem e alcançou a marca mais rápida da categoria. Com um time bem encaixado e com companheiros de equipe bem experientes, André Negrão pode despontar como a grande surpresa dentre os pilotos brasileiros nas 24 Horas de Le Mans deste ano.

André Negrão vai fazer aniversário justamente no dia da bandeirada em Le Mans
André Negrão/Facebook oficial

As conquistas brasileiras em Le Mans

O automobilismo brasileiro ainda não alcançou nenhuma vitória na classe principal das 24 Horas de Le Mans, hoje a LMP1. Lucas Di Grassi ficou muito perto dessa conquista histórica em 2014, quando terminou em segundo lugar com a Audi. Ainda assim, o Brasil tem suas glórias em Sarthe em outras categorias.

Voltando um pouco no tempo, é possível recordar que Thomas Erdos, carioca de 51 anos que hoje é radicado na Inglaterra, foi bicampeão das 24 Horas de Le Mans na LMP2 em 2005 e 2006 correndo ao lado de Mike Newton e Warren Hughes com um protótipo MG-Lola da equipe Ray Mallock. Àquela época, Le Mans não fazia parte do Mundial de Endurance como conhecemos hoje.

O paranaense Jaime Melo Jr., que vem retomando sua carreira na pista depois de enfrentar problemas pessoais, também deixou sua marca na história de Le Mans ao vencer duas vezes a prova na classe GT2, hoje equivalente à LMGTE-Pro, em 2008 e 2009, quando correu com uma Ferrari F430 GT2 da equipe italiana Risi Competizione, tendo como parceiros o alemão Pierre Kaffer e o experiente e ex-F1 Mika Salo em 2008 e novamente Kaffer e o não menos rodado Gianmaria Bruni no ano seguinte.

Com a Rebellion Racing, Nelsinho Piquet alcançou a vitória na LMP1, a principal classe das 24 Horas de Le Mans, entre os times não-oficiais. E outros pilotos, além de Lucas Di Grassi, também ficaram perto da glória máxima em Sarthe. José Carlos Pace, o 'Moco', foi segundo lugar em 1973 correndo com uma Ferrari. Raul Boesel, outro piloto com passagem pela F1, foi segundo colocado em 1991 correndo pela Jaguar ao lado de Davy Jones e Michel Ferté.

Isso sem falar do trio brasileiro formado por Paulão Gomes, Marinho Amaral e o saudoso Alfredo Guaraná Menezes, que fechou as 24 Horas de Le Mans de 1978 no sétimo lugar geral e segundo no então chamado Grupo 5.

Definitivamente, são muitos os bons capítulos da história do automobilismo brasileiro em Le Mans. E outra bela página tem tudo para ser escrita neste fim de semana.


 

Classe LMGTE-Pro

Pipo Derani

Nascido em 12/10/1993 (23 anos) em São Paulo
Presenças nas 24 Horas de Le Mans: duas (2015 e 2016);
Melhor resultado: 12º em 2015;
Equipe: Ford Chip Ganassi Team UK
Chassi: Ford GT;
Motor: Ford EcoBoost 3,5 L V6 Turbo;
Carro: #67
Companheiros de equipe: Andy Priaulx (Inglaterra) e Harry Tincknell (Inglaterra)
Tempo no Journée Test: 3min58s046 (45 voltas)

Mesmo ainda jovem, o talentoso Pipo Derani já tem uma carreira consolidada no Endurance. Dono de vitórias nas 24 Horas de Daytona e nas 12 Horas de Sebring no ano passado, o paulista é, aos 23 anos, talvez o grande nome brasileiro na atualidade nas corridas de resistência. Sua velocidade e maturidade nas pistas renderam o convite de Chip Ganassi para alinhar em um dos seus Ford GT nas primeiras corridas da temporada 2017 do WEC. A chance de poder guiar o clássico Ford GT atraiu Derani, que tem tudo para brilhar novamente, ainda mais por contar com companheiros de equipe tão fortes.

“Correr em Le Mans com uma montadora como a Ford é muito especial. Estou tão ansioso para este fim de semana e especialmente para a corrida. A Ford Performance Chip Ganassi é uma equipe muito forte e bem preparada. Estou feliz por ter me adaptado bem ao time e especialmente ao Harry e ao Andy. Estamos bem na parte operacional e estratégica. Não posso esperar para iniciar este mítico evento”, afirma o brasileiro.

Pipo Derani vai ter a chance de correr pela equipe de Chip Ganassi em Le Mans
Ford

Tony Kanaan

Nascido em 31/12/1974 (42 anos) em Salvador
Presenças nas 24 Horas de Le Mans: estreante
Equipe: Ford Chip Ganassi Team USA
Chassi: Ford GT;
Motor: Ford EcoBoost 3,5 L V6 Turbo;
Carro: #68
Companheiros de equipe: Joey Hand (Estados Unidos) e Dirk Müller (Alemanha)
Tempo no Journée Test: não participou

Tony Kanaan foi o nono e último brasileiro confirmado no rol dos inscritos para as 24 Horas de Le Mans. Em princípio, o titular do Ford GT #68 era Sébastien Bourdais, mas o fortíssimo acidente sofrido na classificação para as 500 Milhas de Indianápolis levou Chip Ganassi a escalar, de forma justa, Kanaan para o lugar do francês em Sarthe. O soteropolitano vai fazer sua estreia em Le Mans literalmente nesta semana, uma vez que a presença no Journée Test não foi possível em razão da rodada dupla de Detroit da Indy. Mas a falta de experiência no mítico traçado francês vai ser aliviada com a quilometragem dos dois pilotos que vão compartilhar com Tony a condução do carro nesses próximos dias, além do seu velho parceiro na Indy, Scott Dixon, que vai guiar o Ford GT #69.

Daniel Serra também vai ser um dos brasileiros a debutar em Le Mans no fim de semana
Aston Martin

Daniel Serra

Nascido em 24/03/1984 (33 anos) em São Paulo
Presenças nas 24 Horas de Le Mans: estreante
Equipe: Aston Martin Racing
Chassi: Aston Martin Vantage GTE
Motor: Aston Martin V8 4,5 L;
Carro: #97
Companheiros de equipe: Darren Turner (Inglaterra) e Jonathan Adam (Inglaterra)
Tempo no Journée Test: 3min56s735

Serrinha vem sendo um dos grandes nomes do automobilismo brasileiro em 2017. Novo piloto da RC/Eurofarma na Stock Car, o filho do lendário Chico Serra já ganhou corrida e desponta como um dos favoritos ao título na atual temporada. Mas além da sua jornada de êxito em terras-brasilis, Daniel também vive um novo momento em sua carreira internacional com o convite para correr pela Aston Martin nas primeiras provas do Mundial de Endurance em 2017. E isso, claro, contempla a sua estreia nas 24 Horas de Le Mans. Serrinha já ostenta um histórico de peso nas corridas de longa duração com várias participações nas 24 Horas de Daytona e em corridas do IMSA nos Estados Unidos. Mas a chance de correr na Europa para acelerar na Meca das corridas de resistência é encarada pelo piloto como algo singular.

“Estou bem feliz. Eu já vinha abrindo pequenas portas lá fora há algum tempo, venho trabalhando para tentar abrir. Na verdade, estou trabalhando ainda para abrir essas portas. Venho testando pneus para a Dunlop há dois anos e meio e, com isso, quando eles acertaram com a Aston Martin para testar com a Dunlop, eles [a Aston Martin] acabaram me conhecendo, e aí começamos a ter contato e deu certo para fazermos as três primeiras corridas do WEC no ano: Silverstone, Spa e Le Mans. Estou muito animado”, diz o piloto ao GRANDE PREMIUM.

Fernando Rees vai buscar sua terceira participação nas 24 Horas de Le Mans
José Mário Dias


Classe LMGTE-Am

Fernando Rees

Nascido em 04/01/1985 (32 anos) em São Paulo
Presenças nas 24 Horas de Le Mans: duas (2015 e 2016);
Melhor resultado: 24º em 2016;
Equipe: Larbre Compétition
Chassi: Chevrolet Corvette C7-R
Motor: Chevrolet LS5 V8 5,5 L
Carro: #50
Companheiros de equipe: Romain Brandela (França) e Christian Philippon (França)
Tempo no Journée Test: 3min58s302 (29 voltas)

Ainda bastante jovem, o paulista Fernando Rees tem larga experiência nas corridas de longa duração. O piloto correu na Le Mans Series desde 2007 e tem participações no Mundial de Endurance a partir de 2012. Depois de integrar o time da Aston Martin por três temporadas, entre 2014 e 2016, Rees volta à francesa Larbre Compétition com um conjunto bastante estável: o Chevrolet Corvette, que lhe permitiu ser o segundo mais rápido no Journée Test entre os pilotos da LMGTE-Am. Assim, o brasileiro vai ser o ponto de referência para seus companheiros de equipe em mais uma jornada nas desafiadoras 24 Horas de Le Mans.