O mundo é bom, Sebastião

O que tem em comum aos vencedores iniciais de F-E, WRC, Indy e F1 na temporada 2017? Curiosamente, o nome e a origem

Vitor Fazio, de Porto Alegre

Quatro das principais categorias do automobilismo mundial tiveram uma interessante coincidência entre si. Os vencedores das primeiras etapas do Mundial de Rali, da F-E, da Indy e da F1 em 2017 são todos Tiãos. De um jeito ou de outro: Sébastien Ogier, Sébastien Buemi, Sébastien Bourdais e Sebastian Vettel venceram as provas de abertura de seus respectivos campeonatos.

A coincidência vai além: o quarteto de Sebs dividem também o forte vínculo com a Red Bull. Ogier é, desde 2010, patrocinado pela marca. Buemi competiu na F1 entre 2009 e 2011 como piloto da Toro Rosso e ainda tem contrato com a turma dos energéticos. O mesmo vale para Bourdais, que correu com a equipe de Faenza em 2008 e 2009. Vettel dispensa maiores explicações: o tetracampeão da F1 teve contrato com os taurinos desde a juventude, só pulando fora em 2014 para pilotar pela Ferrari.

Sébastien Ogier venceu o Rali de Monte Carlo em 22 de janeiro. Na primeira prova homologada pela FIA em 2017, Seb aproveitou uma quebra de Thierry Neuville para assumir a liderança no penúltimo dia de atividades. E não mais perdeu: o tetracampeão do WRC venceu logo em sua primeira prova pela M-Sport.

Sébastien Buemi venceu o eP de Buenos Aires. Não foi o primeiro da temporada da F-E, que começou no segundo semestre de 2016, mas foi o primeiro de 2017. Seb suportou a pressão de Jean-Éric Vergne nas últimas voltas da corrida para vencer a terceira seguida, feito único no certame elétrico.

Sébastien Bourdais é o caso mais surpreendente desta lista. Seb largou em último no GP de São Petersburgo, pilotando pela fraca Dale Coyne. Mas a desvantagem foi para o espaço: Bourdais fez pits nos melhores momentos possíveis, saltando para a ponta. E também mostrou velocidade em bandeira verde. Incrível.

Sebastian Vettel também batalhou para vencer o GP da Austrália. Depois de completar a primeira volta em segundo, Seb colocou pressão em Lewis Hamilton. Mas não passou na pista: um erro grave da Mercedes permitiu que Vettel fizesse uma ultrapassagem nos boxes, vencendo a primeira desde 2015.