Guia F-E 2016/17: Equipes e pilotos

Às vésperas do início da terceira temporada da F-E, o GRANDE PREMIUM apresenta todas as equipes e pilotos que vão estar no grid a partir deste fim de semana em Hong Kong

Vitor Fazio, de Porto Alegre &
Gabriel Curty, de São Paulo

Renault e.dams

Melhor resultado: campeã (2014/15, 2015/16)
Vitórias: 9
Poles: 9
Pódios: 16

A e.dams conseguiu, na temporada 2015/16, a proeza de dominar um campeonato tão parelho quanto a F-E. Em dez corridas, cinco vitórias da escuderia francesa, que inclusive já é bicampeã entre equipes. Claro, tudo consequência direta do importantíssimo apoio da Renault, que parece estar fazendo a diferença.

Depois de expor tudo isso, fica difícil dizer que os franceses não chegam como favoritos para o tricampeonato. Sébastien Buemi consegue tirar proveito do bom carro, Nicolas Prost faz sua parte quando pode. É uma dupla sólida, que já se conhece bem, e que consegue converter o potencial da e.dams em resultados concretos.

O trem de força desenvolvido pela Renault não deve ser tão dominante quanto se viu na temporada anterior, mas 2016/17 ainda promete uma boa dose de vitórias. Talvez mais apertado, mas ainda com chances claríssimas de fazer 

Nicolas Prost e Sébastien Buemi formam a dupla da e.dams
F-E

NICOLAS PROST #8

18 de agosto de 1981 (35 anos), Saint-Chamond, França
Na F-E: 21 ePs
3 vitórias
3 poles
5 pódios
Na última temporada: Terceiro (115 pontos)
Na carreira: Quarto na temporada 2012 do Mundial de Endurance 
Vencedor das 24 Horas de Le Mans 2014 na classe LMP1-L
Terceiro colocado na F3 Espanha em 2007
 
Nicolas Prost não é um dos pilotos de ponta na F-E e todo mundo sabe disso. No entanto, em meio à decisão do título entre Sébastien Buemi e Lucas Di Grassi na segunda temporada em Londres, o francês finalmente mostrou algo e dominou o fim de semana com duas vitórias.
 
O desempenho em Londres fez Prost atingir um bem decente terceiro lugar na classificação final. Pelo que finalmente mostrou, dá para dizer que o francês é forte candidato a vencer com mais frequência na terceira temporada 2016/17 com o grande carro da e.dams.
 

SÉBASTIEN BUEMI #9

31 de outubro de 1988 (27 anos), Aigle, Suíça
Na F-E: 21 ePs
6 vitórias
6 poles
11 pódios
Na última temporada: Campeão (155 pontos)
Na carreira: 15º na temporada 2011 da F1 
Campeão da temporada 2014 do Mundial de Endurance
Vice-campeão da F3 Europeia em 2007
 
É bem possível que Sébastien Buemi seja o principal favorito ao título da terceira temporada da F-E. Campeão em 2015/16, o suíço tem experiência na F1, título mundial no WEC e é recordista na categoria elétrica de vitórias, poles e pódios – empatado com Lucas Di Grassi.
 
É verdade que a supremacia da e.dams em relação às rivais na segunda temporada fez toda a diferença e permitiu que Buemi fosse campeão mesmo cometendo alguns erros. No entanto, ter brigado pelo título até o fim em 2014/15 em condições de igualdade com os rivais mostrou também todo seu talento.

Audi ABT Schaeffler

Melhor resultado: 2º lugar (2015/16)
Vitórias: 4
Poles: 1
Pódios: 17

A Abt parte para a terceira temporada da F-E com a missão clara de desencantar. Não no sentido de vencer corridas – Lucas Di Grassi faz um belo trabalho nesse aspecto –, mas no sentido de converter os triunfos em títulos. Apesar do potencial da equipe alemã, as batidas na trave do brasileiro parecem ser um fardo pesado.

A boa notícia é que a Audi, fornecedora dos trens de força, está interessada em investir mais na F-E. É uma ajuda providencial, considerando a vantagem clara da e.dams. Mesmo assim, os testes de pré-temporada não foram particularmente brilhantes para a equipe Abt. Os alemães foram a escuderia com o quarto melhor tempo na primeira bateria de testes, depois passando a ser a quinta na segunda sessão. Claro, é normal que equipes escondam o jogo, mas ainda não parece ser dessa vez que Di Grassi vai rumar para o título com facilidade.

Lucas Di Grassi é um dos favoritos ao título
Audi ABT

LUCAS DI GRASSI #11

11 de agosto de 1984 (32 anos), São Paulo, Brasil
Na F-E: 21 ePs
4 vitórias
11 pódios
Na última temporada: Vice-campeão (153 pontos)
Na carreira: 24º na temporada 2010 da F1
Quarto na temporada 2014 do Mundial de Endurance
Vice-campeão da temporada 2007 da GP2
 
Ninguém é tão regular e cerebral no grid da F-E quanto Lucas Di Grassi. Com uma inteligência acima da média, o paulista conseguiu por dois anos consecutivos brigar pelo título até a prova final e, em ambos os casos, teria sido campeão se a ABT não tivesse cometido irregularidades que custaram uma desclassificação em cada temporada.
 
Recordista de pódios ao lado de Sébastien Buemi na história da F-E, com 11, Lucas é certamente um dos grandes favoritos ao título se a Audi ABT tiver um bom carro. Resta saber, porém, como o brasileiro vai lidar com a perda do título da forma conturbada que foi em Londres.
 

DANIEL ABT #66

3 de dezembro de 1992 (23 anos), Kempten, Alemanha
Na F-E: 21 ePs
1 pole
4 pódios
Na última temporada: Sétimo (68 pontos)
Na carreira: Vice-campeão da GP3 em 2012
Sétimo na temporada 2011 da F3 Europeia
16º na temporada 2014 da GP2
 
Daniel Abt é um caso parecido com o de Nicolas Prost na e.dams. Filho do dono do time, o menino alemão não consegue demonstrar na pista que merece a vaga e, corrida após corrida, sofre para acompanhar o ritmo do companheiro Lucas Di Grassi.
 
Abt tem apenas 23 anos, isso quer dizer que nem tudo está perdido em sua carreira. Sejamos justos: ele já teve lá seus bons momentos. Em 2012, por exemplo, Daniel foi vice-campeão da GP3, uma das principais categorias de acesso à F1.

Virgin DS

Melhor resultado: 3º lugar (2015/16)
Vitórias: 3
Poles: 4
Pódios: 7

Terceira melhor em 2015/16, a Virgin passou por uma evolução nítida ao longo da temporada. A parceria com a Citröen, através da marca DS, resultou em um trem de força eficiente. Mas com um porém: o equipamento era pesado e consumia muita bateria. Conforme o problema passou a ser contornado, os resultados começaram a vir: quatro pódios, uma vitória. Com o projeto já bem encaminhado, 2016/17 pode ser um grande ano.

Usando como base os números da pré-temporada, a Virgin parece dar sequência ao processo de evolução. Depois de ser apenas a quinta equipe com melhor tempo na primeira bateria, passou a ser terceira na segunda.

Ainda não parece ser dessa vez que o competente Sam Bird vai ter a chance de dar voos genuinamente mais altos, mas certamente vai dar para subir ao pódio com mais frequência. O britânico e José María López podem ser os estraga-prazeres de 2016/17.

Pechito López é uma das grandes atrações da terceira temporada da F-E
Virgin

SAM BIRD #2

9 de janeiro de 1987 (29 anos), Roehampton, Inglaterra
Na F-E: 21 ePs
3 vitórias
3 poles
5 pódios
Na última temporada: Quarto (88 pontos)
Na carreira: Vice-campeão da GP2 em 2013
Terceiro colocado na World Series em 2012
Quinto na temporada 2014/2015 da F-E
 
Sam Bird merece muitos elogios por seus dois primeiros anos na F-E. Após anos de destaque no automobilismo de base, o inglês vem fazendo um trabalho bem decente com a Virgin e ficou no grupo dos primeiros colocados em ambas as temporadas até aqui disputadas.
 
Bird é um cara a se ficar de olho para a terceira temporada. Se a Virgin acertar a mão no carro, o inglês deve aumentar o bom retrospecto de três vitórias e três poles e pode até brigar seriamente pelo título. 
 

JOSÉ MARÍA LÓPEZ #37

26 de abril de 1983 (33 anos), Río Tercero, Argentina
Na F-E: estreante
Na carreira: Tricampeão Mundial de WTCC em 2014, 2015 e 2016
Nono colocado na GP2 em 2005
Sexto colocado na F3000 em 2004
 
José María López é uma das grandes atrações da terceira temporada da F-E. Entrando no campeonato já em uma boa equipe como a Virgin, o argentino deve chegar para incomodar Sam Bird no posto de primeiro piloto do time.
 
Pechito é o grande nome do automobilismo argentino e não é de hoje. Tricampeão do Mundial de WTCC, o piloto de 33 anos sentiu que era hora de voar ainda mais alto. Talento ele tem de sobra, resta ver como será a readaptação aos monopostos depois de tanto tempo no turismo.

Dragon Penske

Melhor resultado: 3º lugar (2015/16)
Vitórias: 2
Poles: 2
Pódios: 8

Mesmo dependendo do trem de força medíocre da Venturi em 2015/16, a Dragon conseguiu fazer um belo trabalho – quarto lugar entre equipes, apenas um ponto atrás da Virgin. Agora, contanto com o suporte da gigante Penske e da Faraday Future, o prognóstico passa a ser ainda mais positivo.

Loïc Duval e Jérome D’Ambrosio podem muito bem subir ao pódio com frequência – os resultados da pré-temporada apontam para que a Dragon seja uma das cinco melhores equipes com facilidade.

Mas também é preciso ter calma: a Dragon ainda não tem cara de equipe campeã. O ritmo da pré-temporada foi bom, mas não o suficiente para brigar com e.dams ou Abt, por exemplo. Pensando desse jeito, outro quarto lugar em 2016/17 não seria de todo ruim.

Jérôme D'Ambrosio merece ser respeitado na F-E
Dragon

LOÏC DUVAL #6

 
12 de junho de 1982 (34 anos), Chartres, França
Na F-E: 17 ePs
2 pódios
Na última temporada: Oitavo (60 pontos)
Na carreira: Campeão do Mundial de Endurance em 2013
Vencedor das 24 Horas de Le Mans de 2013
Campeão da Super Fórmula em 2009
 
Esperava-se um pouquinho mais de Loïc Duval na segunda temporada da F-E. Dos principais nomes do Mundial de Endurance, o francês teve um primeiro ano na categoria de bólidos elétricos muito bom, mas caiu um pouco em 2015/16, não conseguindo fazer frente ao companheiro Jérôme D’Ambrosio.
 
Pelo que mostrou principalmente no ano de estreia da categoria, é normal seguir esperando ver um Duval mais constante, principalmente, já que rápido ele não deixou de ser. Assim, é bem possível que a Dragon volte a ter a dupla mais equilibrada do grid.
 

JÉRÔME D’AMBROSIO #7

 
27 de dezembro de 1985 (30 anos), Etterbeek, Bélgica
Na F-E: 21 ePs
2 vitórias
2 poles
6 pódios
Na última temporada: Quinto (83 pontos)
Na carreira: 23º na temporada 2012 da F1
Nono na temporada 2009 da GP2
Quarto na F-E em 2014/2015 
 
Jérôme D’Ambrosio deve ser colocado em um grupo junto com Sam Bird. Se não é um dos principais favoritos ao título, é um nome que merece destaque por sua regularidade e pelos dois ótimos campeonatos que fez na F-E.
 
A Dragon promete seguir evoluindo e andando na frente ainda mais vezes, especialmente nas corridas, já que costuma classificar bem. Neste momento, se fosse para apostar em alguém para sair na frente pelo time, esse alguém seria o piloto belga.

Mahindra

Melhor resultado: 5º lugar (2015/16)
Vitórias: 0
Poles: 0
Pódios: 2

Quando se avalia que o quarto lugar da Dragon não seria de todo ruim, é por conta de quem vem atrás: a Mahindra, quinta colocada em 2015/16, surgiu em grande forma na segunda bateria de testes pré-temporada da F-E. Depois de um começo apagado, os indianos anotaram o segundo melhor tempo da semana complementar.

É um sinal positivo para uma escuderia que tanto sofreu no primeiro ano da F-E. Depois de um leve avanço na temporada seguinte, a sensação é de que o desenvolvimento do trem de força rendeu frutos ainda melhores. Ainda melhor é a dupla de pilotos: A equipe manteve o experiente Nick Heidfeld e trouxe o bom Felix Rosenqvist, campeão da F3 Europeia em 2015, para substituir o claudicante Bruno Senna.

Se todos esses aspectos realmente se encaixarem, a Mahindra certamente passa a brigar por pódios com mais frequência – e, quem sabe, conquista a primeira vitória.

Nick Heidfeld e a eterna zica que o persegue
Mahindra

FELIX ROSENQVIST #19

7 de novembro de 1991 (24 anos), Värnamo, Suécia
Na F-E: Estreante
Na carreira: Campeão da F3 Europeia em 2015
Vencedor do GP de Macau em 2014 e 2015
12º na temporada 2016 da Indy Lights
 
Felix Rosenqvist é mais uma das novidades da terceira temporada da F-E. Outrora muito contestado por anos de fracasso na F3 Europeia, o sueco parece ter evoluído bastante, conquistando o título da categoria, vencendo corridas na Indy Lights e começando bem sua trajetória no DTM.
 
Rosenqvist entra na vaga que era de Bruno Senna até o segundo ano da categoria. Para que ele tenha alguma chance de brigar constantemente pelo pódio, no entanto, a Mahindra vai precisar evoluir bastante em relação ao nada mais que mediano carro de 2015/16.
 

NICK HEIDFELD #23

10 de maio de 1977 (39 anos), Mönchengladbach, Alemanha
Na F-E: 20 ePs
2 pódios
Na última temporada: Décimo (53 pontos)
Na carreira: Quinto colocado na temporada 2007 da F1
Campeão da F3000 em 1999
Vencedor das 24 Horas de Le Mans na classe LMP1-L
 
Nick Heidfeld é um dos pilotos mais experientes da F-E. Hoje com 39 anos, o alemão é tido também como um dos mais azarados, por ter talento, mas sempre esbarrar em algum detalhe na hora de vencer corridas. Na categoria elétrica, por exemplo, foi punido na última volta quando liderava em Buenos Aires e acertado na última curva quando foi triunfar em Pequim.
 
Mesmo assim, Heidfeld segue fazendo bons trabalhos, classificando sempre entre os primeiros e puxando bem, primeiro a Venturi e, agora, a Mahindra. Se o carro dos indianos tiver bom, vale ficar de olho no alemão.

Venturi

Melhor resultado: 6º lugar (2015/16)
Vitórias: 0
Poles: 1
Pódios: 2

A Venturi definitivamente não causou uma boa impressão na pré-temporada. Assim, já dá para cravar que vai ser difícil planejar objetivos grandiosos para a temporada 2016/17.

Os motivos para este tom mais pessimista – ou realista – são vários. Na primeira sessão de testes pré-temporada, foi apenas a oitava melhor equipe. Na segunda, foi a pior de todas. Além disso, a dupla de pilotos pouco impressiona: Stéphane Sarrazin pontua bastante, mas não parece capaz de conseguir resultados verdadeiramente brilhantes. Já Maro Engel, estreante, deve sofrer para se adaptar aos peculiares carros elétricos. A cereja no bolo é o trem de força, construído pela própria Venturi e pouco atrativo.

É quase certo que a Venturi vai ficar perto da rabeira do grid. Resta saber quão perto – vai ser difícil até de repetir o sexto lugar de 2015/16.

Engel e Sarrazin formam a dupla da Venturi
Venturi

STÉPHANE SARRAZIN #4

2 de novembro de 1975 (40 anos), Barjac, França
Na F-E: 21 ePs
1 pole
1 pódio
Na última temporada: Sexto (60 pontos)
Na carreira: Terceiro na temporada 2013 do Mundial de Endurance
Quarto na temporada 1999 da F3000
11º na temporada 2004 do Mundial de Rali
 
Stéphane Sarrazin pode ser chamado de surpresa pelo que fez na segunda temporada da F-E. Veteraníssimo, o francês conseguiu resultados muito acima dos esperados pela Venturi e fechou o campeonato em sexto, colocando a equipe em uma posição decente.
 
Sarrazin não é aquele piloto que você aposta para ser campeão, mas o veterano pode seguir incomodando constantemente os líderes. Aliás, Sarrazin já tem uma primeira missão: bater sem dó no novo companheiro e praticamente desconhecido Maro Engel.
 

MARO ENGEL #5

27 de agosto de 1985 (31 anos), Munique, Alemanha
Na F-E: Estreante 
Na carreira: Vice-campeão da temporada 2007 da F3 Britânica
12º na temporada 2009 do DTM
28º na temporada 2013 do V8 Supercars
 
Eu aposto que o leitor poderia pensar em uns 100 nomes antes do de Maro Engel para apostar em quem seria o novo companheiro de Sarrazin na Venturi. Alemão de 31 anos, o piloto reapareceu no cenário automobilístico nos testes da F-E em Donington e, mais tarde, foi confirmado para a temporada.
 
Não dá para esperar muito de Engel por tanto tempo longe dos holofotes e, principalmente, por nunca ter feito nada de muito destaque. O 12º lugar no DTM em 2009 aparece como principal marca no seu cartel.

Andretti

Melhor resultado: 6º lugar (2014/15)
Vitórias: 0
Poles: 2
Pódios: 4

Não seria exagero dizer que a Andretti conta com a melhor dupla de pilotos do grid da F-E. Robin Frijns e António Félix da Costa são dois dos melhores pilotos da última geração a não alcançar a F1. E isso significa muito para uma equipe que, aparentemente, vai precisar de cada detalhe possível para ganhar terreno na briga por posições na parte de trás do grid.

A Andretti vem de um 2015/16 bastante decepcionante, conseguindo apenas um pódio e fechando como sétima melhor equipe. Muito pouco para uma organização tão famosa. O que muda em 2016/17 é que a escuderia vai passar a usar seu próprio trem de força – algo que já devia ter acontecido em 2015, mas que não rolou por problemas crônicos na peça.

O trem de força ainda não deve ser nenhuma maravilha, pelo menos é isso que os tempos da pré-temporada apontam. Assim, qualquer coisa além do sétimo lugar de 2015/16 já deve ser interpretado como um bom resultado.

António Félix da Costa está de casa nova
Andretti

ROBIN FRIJNS #27

7 de agosto de 1991 (25 anos), Maastricht, Holanda
Na F-E: 10 ePs
1 pódio
Na última temporada: 12º (45 pontos)
Na carreira: Campeão da World Series em 2012
Campeão do Mundial de GT em 2015
15º na temporada 2013 da GP2
 
O carro muito ruim que a Andretti fez para a segunda temporada da F-E acabou, por muitas vezes, escondendo o potencial de Robin Frijns. Mesmo assim, o holandês, que esteve na porta da F1 anos atrás, teve corridas excelentes e levou enorme vantagem sobre a companheira Simona de Silvestro.
 
A Andretti deve evoluir um bocado e ajudar muito em uma briga interna que promete ser bem intensa. Agora, Frijns tem ao seu lado o ótimo António Félix da Costa. Não tem hora melhor para o campeão da temporada 2012 da World Series provar que é bom mesmo. 
 

ANTÓNIO FÉLIX DA COSTA #28

31 de agosto de 1991 (25 anos), Lisboa, Portugal
Na F-E: 17 ePs
1 vitória
1 pódio
Na última temporada: 13º (28 pontos)
Na carreira: Terceiro na temporada 2013 da World Series
Oitavo na temporada 2014/15 da F-E
Terceiro na temporada 2012 da GP3
 
António Félix da Costa tem algo muito em comum com seu novo companheiro de equipe: ter batido na trave na hora de entrar na F1. Preterido pela Red Bull, que preferiu Daniil Kvyat, o português seguiu a vida e agora busca ainda mais sucesso na F-E.
 
O português nunca escondeu que não ter chegado na F1 foi uma enorme decepção, mas sabe que há vida fora dela. Em uma equipe mais segura que a finada Aguri, promete andar na ponta com mais frequência na terceira temporada da F-E.

Techeetah Renault

Melhor resultado: Estreante
Vitórias: 0
Poles: 0
Pódios: 0

O que dizer da Techeetah? A equipe, que comprou as sobras da Aguri ao fim de 2015/16, chegou com tudo na pré-temporada: Jean-Éric Vergne fez o melhor tempo da primeira semana de testes e ficou em segundo na outra. Se 2016/17 nos reserva uma surpresa, esta certamente será a escuderia chinesa.

Claro, os resultados da pré-temporada não apontam que a Techeetah vá brigar pelo título. O próprio Vergne, apesar de ser um ótimo piloto, pecou muito pelos resultados inconstantes em 2015/16. Mas, nesse ritmo, brigar por pódios e vitórias não deve ser visto como algo surreal. Pena que o segundo piloto seja o desastroso Ma Qing Hua, provavelmente o pior piloto do grid da F-E.

O maior trunfo da Techeetah parece ser o trem de força da Renault, o mesmo utilizado pela campeã e.dams. Potência não vai ser um problema para os chineses.

Jean-Éric Vergne tem tudo para ser o nome da Techeetah
F-E

JEAN-ÉRIC VERGNE #25

25 de abril de 1990 (26 anos), Pontoise, França
Na F-E: 19 ePs
4 poles
4 pódios
Na última temporada: Nono (56 pontos)
Na carreira: 13º na temporada 2014 da F1
Vice-campeão da World Series em 2011
Sétimo na temporada 2014/15 da F-E
 
A última temporada de Jean-Éric Vergne com a Virgin foi muito ruim, mas isso não deve se repetir no campeonato que começa neste fim de semana. Com experiência de F1 e já totalmente adaptado aos carros elétricos, Vergne é um nome a se ficar de olho.
 
Não bastasse seu reconhecido talento, Vergne capitaneia a estreia da Techeetah, equipe que foi a sensação da pré-temporada por ter batido constantemente a e.dams e andado na frente, sempre com Vergne.
 

MA QING HUA #33

25 de dezembro de 1987 (28 anos), Xangai, China
Na F-E: 4 ePs
Um 11º lugar
Na última temporada: 19º (zero ponto)
Na carreira: Quarto na temporada 2015 do WTCC
Campeão da temporada 2011 do China TCC
Piloto de teste da Hispania e da Caterham na F1
 
Ter um piloto muito melhor que o outro é uma das características da e.dams e da Audi ABT, os dois melhores times da F-E. Será por isso que a Techeetah resolveu investir em Ma Qing Hua logo em sua temporada de estreia? Brincadeiras à parte, o chinês ainda não disse ao que veio na categoria dos bólidos elétricos.
 
Quarto colocado no Mundial de WTCC de 2015 andando pela hegemônica Citroën, Ma chegou à F-E na temporada passada e, até aqui, segue zerado na pontuação. Se o carro for tão bom quanto aparentou em Donington, o chinês ao menos deve pontuar com frequência, como fazem Nico Prost e Daniel Abt.

China NextEV

Melhor resultado: 4º lugar (2014/15)
Vitórias: 2
Poles: 0
Pódios: 5

Depois do título de Nelsinho Piquet em 2014/15, a China virou um pesadelo. Dependendo de seu próprio trem de força e sem parceria com grandes empresas, a escuderia ficou muito para trás já em 2015/16. Partindo para mais uma temporada, o prognóstico continua sendo bastante sombrio.

A equipe simplesmente não conseguiu resultados chamativos na pré-temporada, frequentemente pintando com os piores tempos anotados. Piquet e Oliver Turvey são bons pilotos, mas a limitação de potência do carro é uma barreira muito difícil de superar.

Assim, não é exagero nenhum dizer que qualquer coisa além da lanterna no Campeonato de Equipes já vai estar de bom tamanho. E até isso pode ser uma missão difícil, já que a estreante Jaguar não parece tão boba assim.

Nelsinho Piquet foi o primeiro campeão da F-E
China

NELSINHO PIQUET #3

25 de julho de 1985 (31 anos), Heidelberg, Alemanha
Na F-E: 21 ePs
2 vitórias
5 pódios
Na última temporada: 15º (8 pontos)
Na carreira: 12º na temporada 2008 da F1
Vice-campeão da GP2 em 2006
Campeão da F-E em 2014/2015
 
É impossível fazer uma lista dos favoritos ao título da F-E e ignorar Nelsinho Piquet, o primeiro campeão da categoria. Mais maduro e em ótima forma, o brasileiro certamente é um dos principais nomes do grid.
 
O que pode atrapalhar Nelsinho na disputa é seu carro. Na temporada passada, tudo deu errado para a China: um carro pesado, lento e que raramente era capaz de algo melhor que um décimo lugar. O time mexeu totalmente nos seus bólidos e espera voltar às glórias, mas a pré-temporada não foi tão empolgante assim.
 

OLIVER TURVEY #88

1º de abril de 1987 (29 anos), Penrith, Inglaterra
Na F-E: 12 ePs
Sexto colocado no eP de Pequim 
Na última temporada: 14º (11 pontos)
Na carreira: Vencedor das 24 Horas de Le Mans de 2014 – classe LMP2
Sexto colocado na temporada 2010 da GP2 
Quarto colocado na temporada 2009 da World Series
 
Oliver Turvey é um piloto interessante. Após entrar na F-E sem muito prestígio, o britânico viveu alguns bons momentos na categoria, o principal deles quando abocanhou o sexto lugar com o péssimo carro da China na abertura da última temporada.
 
A previsão para o rendimento de Turvey nesta terceira temporada da categoria elétrica também fica condicionada ao que vai apresentar a China, mas é seguro colocar o inglês atrás de Piquet no quesito favoritismo.

Jaguar

Melhor resultado: Estreante
Vitórias: 0
Poles: 0
Pódios: 0

Após a falência da Trulli, a Jaguar é a responsável por ocupar a décima vaga da F-E, em aberto desde o início de 2015/16. A marca britânica chega ao campeonato elétrico com objetivos grandiosos. Mas a paciência vai ser necessária no começo: os resultados da pré-temporada não parecem bons.

Na primeira semana de testes, a Jaguar conseguiu apenas o nono melhor tempo entre todas as equipes, na frente apenas da China. Na segunda, a mesma posição, mas só na frente da Venturi. Os problemas com peso e falta de potência ainda não parecem ter sido totalmente resolvidos – o que é um problema sério, já que as mudanças no carro durante a temporada são extremamente limitadas.

Estar no mesmo nível que China e Venturi não costuma ser um bom sinal. Parece claro que, muito mais do que acumular pontos, a Jaguar vai ficar acumulando suas esperanças para 2017/18.

A Jaguar é outra estreante
Jaguar

MITCH EVANS #20

24 de junho de 1994 (22 anos), Auckland, Nova Zelândia
Na F-E: estreante
Na carreira: Campeão da GP3 em 2012
Quarto colocado na GP2 em 2014
Campeão da Toyota Racing Series em 2011
 
Mitch Evans é um bom nome que faz sua estreia na F-E na terceira temporada da categoria. Ainda jovem, o neozelandês foi campeão da GP3 e brigou na ponta na GP2, mostrando talento em muitos momentos.
 
Por ter um companheiro que não faz nada de relevante faz tempo, cai sobre Evans uma responsabilidade maior de levar a novata Jaguar a bons resultados. O ano de estreia sempre costuma ser complicado, mas a equipe ao menos andou de forma decente nos testes de pré-temporada.
 

ADAM CARROLL #47

26 de outubro de 1982 (33 anos), Portadown, Irlanda do Norte
Na F-E: estreante
Na carreira: 34º na temporada 2010 da Indy
Campeão da A1 GP na temporada 2008/2009
Quinto na temporada 2005 da GP2
 
Adam Carroll é mais um daqueles nomes que praticamente ninguém apostava ver no grid da F-E. Outro que está há muito tempo longe dos holofotes, o norte-irlandês deve começar o ano sofrendo com Mitch Evans.
 
É claro que o desempenho de Carroll vai depender muito de como a Jaguar estará, mas ao menos é uma chance para o já veterano reaparecer para o mundo. Para as primeiras provas, qualquer pontinho marcado já vai ser motivo para comemoração.